Trabalhamos com

Painel Solar, produzido 

em território Brasileiro

TIRA DÚVIDASInformações Básicas Sobre Energia Solar Fotovoltaica

Energia fotovoltaica é a energia elétrica produzida a partir de luz solar.

NÃO – Os sistemas de aquecimento solar são utilizados apenas para aquecimento, por exemplo, de ambientes e água dos chuveiros ou piscinas. Já o sistema de Energia Solar produz energia elétrica que pode ser utilizada para suprir todas as necessidades da sua casa ou empresa.

A geração solar térmica consiste na transformação da energia do sol em calor para a utilização no aquecimento de água em residências, hotéis, clubes, etc. Para captar essa energia são usados COLETORES solares. Na geração solar fotovoltaica, a energia é diretamente convertida em eletricidade e, neste caso, são utilizados MÓDULOS solares.

Infelizmente a maioria das Distribuidoras de energia irão lhe cobrar a taxa mínima de energia para estar conectado na rede e além disso tem a taxa de iluminação pública que é cobrado na conta também. Mas você consegue reduzir em até 95% o que você paga atualmente.

Energia solar não funciona de noite, porque não tem sol. Você produz energia durante o dia e se gerar mais do que está consumindo, esta energia vai para a rede da distribuidora como créditos de energia que serão usados para abater o seu consumo da noite.

NÃO – Os equipamentos não emitem nenhum tipo de ruído.

NÃO – Se o seu sistema estiver conectado na rede elétrica da distribuidora o inversor fotovoltaico irá desligar automaticamente e isolar o seu sistema fotovoltaico por uma questão de segurança. SIM – Se você tiver um sistema de energia solar híbrido com backup de baterias, ou seja, você tem um sistema fotovoltaico conectado à rede e possui um grande “nobreak” armazenando energia em baterias na sua casa ou empresa para suprir as possíveis faltas da energia.

Quando o governo estabelece um limite máximo de consumo, as residências que ultrapassar vai pagar uma multa. Se você tem um gerador de energia solar você produzirá a sua energia e não vai estar sujeito a multa, se houver racionamento novamente.

SIM – Mas caso sua residência ou empresa é atendida por alguma concessionária de energia este tipo de projeto não é recomendável. Para se tornar independente, é necessário armazenar a energia gerada em um sistema de baterias para que seja utilizada em dias muito nublados e durante a noite, mas as baterias ainda são muito caras, demandam alta manutenção e precisa ser substituída com frequência, o que torna o projeto economicamente inviável. Além disso, o descarte das baterias gera poluição e reduz as vantagens ecológicas do uso de energia limpa.

Toda a energia gerada pelo sistema e não consumida é automaticamente fornecida para a rede pública de eletricidade. Através do relógio bidirecional, a quantidade de energia injetada é medida e computada pela concessionária como crédito para você. Estes créditos vêm explícitos na conta de luz e podem ser consumidos em até 60 meses. No sistema de monitoramento online permite que você verifique a quantidade de energia produzida pelo seu sistema. Você pode até produzir energia em um endereço e consumir os créditos em outro, desde que eles estejam na área de atuação da mesma concessionária.

Sem sol, seu sistema de geração de energia solar produz menos energia e pode ser que nesse período você consuma os créditos que foram gerados em dias de sol, mas no médio e longo prazo, essas semanas chuvosas já estavam previstas nas estimativas de geração do seu sistema, já que utilizamos bases estatísticas históricas de irradiação solar.

Depende do momento. O sistema é misto, ou seja, quando há sol, você consome diretamente a energia gerada pelo sistema e, caso produza mais do que está consumindo, o excedente é injetado na rede da sua concessionária, gerando créditos. Quando essa energia gerada não é suficiente ou em momentos sem geração (à noite), você consome da concessionária em forma de crédito. Ao final do mês, sua conta de luz é como uma conta corrente que contabiliza débitos e créditos.

Quem realiza esse procedimento é a empresa especializada que vai instalar o sistema. Basicamente eles conectam os painéis solares no Inversor e o Inversor em seu quadro de distribuição (quadro de luz) e cuida da homologação na distribuidora de energia. Daí a energia gerada é distribuída para sua casa ou empresa.

SIM – É um procedimento padrão onde a sua distribuidora de energia verifica se o seu sistema de energia solar foi construído de acordo com as normas de segurança. Não se preocupe com isso, quem deve lhe dar esta garantia é a empresa que vai instalar o sistema na sua casa ou empresa.

Apenas uma limpeza nas placas é necessário se elas ficarem muito sujas.

SIM – De acordo com as resoluções da ANEEL que constam no item 17 desta página, vejam as informações seguintes.

          O que é “Cota de Energia Solar”?

          As Cotas Solares são na verdade frações de uma usina fotovoltaica, onde cada Cota representa 1 (um) painel.

          A eletricidade gerada por essas cotas transforma-se em CRÉDITOS DE ENERGIA (Com validade de 60 meses) que poderão ser utilizados para abater parte em sua conta de luz, exceto a taxa de iluminação pública e impostos que vão continuar sendo cobrados.

          As Cotas Solares, são geradas por Cooperativas (para CPF) e Consórcios (para CNPJ) os participantes, desse modo contratam a divisão de cotas para suprir a sua necessidade.

          Resumindo, uma Usina Solar Compartilhada é uma empresa em local remoto, gerida por uma cooperativa ou consorcio que de acordo com as atuais normatizações da ANEEL, permite a negociação de cotas, criando, assim, um ativo de investimento que tem seu valor associado à tarifa de energia e sua variação.

          Ideal para atender consumidores de condomíniosapartamentos, Lojas, Escritórios, Igrejas e outros que não possuem condições técnicas para receber um conjunto gerador solar no seu telhado, ou até quem não quer comprar seu próprio gerador ou seja, na modalidade de locação que estamos criando, o cliente não precisa fazer investimento, não paga nada do investimento na Usina ou Fazenda Solar, pagando apenas o aluguel referente ao crédito de energia relativo ao seu consumo, (o que chamamos de um crédito negativo, pois servirá como desconto a ser abatido em sua conta de energia).

Se o cliente contratou 500 kWh, vamos supor que seja R$ 500,00, a empresa geradora vai informar a sua fornecedora de energia que você contratou um crédito de 500 kWh, o que chamamos de um crédito negativo, pois servirá como desconto em sua conta de energia, e você vai receber em sua conta este crédito para abater no seu consumo, supondo que o desconto contratado seja de 30%, o cliente vai pagar um boleto de apenas R$ 350,00 para nossa empresa e na fatura de energia apenas a taxa de Iluminação Pública, PIS e COFINS.

          Além desse aspecto, o projeto se destaca ainda por sua portabilidade, permitindo ao proprietário mudar de endereço e continuar recebendo os créditos da geração de suas cotas em sua unidade consumidora.

          Outro aspecto importante é que a empresa que aluga os painéis, é responsável por toda operação da usina/Fazenda Solar, garantindo o melhor desempenho na unidade geradora de energia.

OBS. A Resolução Normativa da ANEEL n°482/12 e suas alterações que autorizaram o consumidor cativo de energia elétrica a usar energia solar, agora é o projeto de lei nº 5.829/2019, que institui o Marco Legal da Micro geração e Mini geração Distribuída e o Sistema de Compensação de Energia Elétrica (SCEE), foi aprovado por 476 votos favoráveis e 3 contrários pela câmara dos Deputados no dia 19/07/2021. Agora segue para análise e votação pelo Senado, logo depois será sancionada pelo Presidente da República.

Dá para transferir a energia solar gerada em um local para outro ? SIM, veja como funciona.

AUTO REM “AUTO CONSUMO REMOTO OU GERAÇÃO COMPARTILHADA” – estabelecido pela Resolução Normativa n°482/12 que permite o consumidor fazer a “troca” de energia com a rede elétrica, Reformado pela Resolução Normativa n° 687/2015 da ANEEL que estabelece as regras para o sistema de “COMPENSAÇÃO DE ENERGIA” (é o que nós estamos chamando de “créditos de energia” ou “lei de incentivo a energia solar”).

GD – Geração Distribuída – é o método pelo qual, é permitido que uma usina geradora fotovoltaica instalada em um ponto, possa compartilhar frações de créditos para outras unidades consumidoras associadas em pontos diferentes atendidos pela mesma distribuidora de energia. Sendo obrigatória que sejam organizadas em COOPERATIVA para atender CPF ou em CONSÓRCIO para atender CNPJ, que poderá participar do Sistema de Compensação da Energia gerada pela organização a que faz parte, recebendo créditos de sua cota pré-contratada em sua própria conta de energia.

EMUC – É o Empreendimento com Múltiplas Unidades Consumidoras através do autoconsumo remoto e a geração compartilhada, para atender condomínios residenciais (verticais e horizontais) e comerciais. As unidades consumidoras devem estar localizada em uma mesma propriedade ou em propriedades contíguas, onde cada condômino poderá compensar parte da energia gerada em sua conta de luz individual, ou compensar o consumo de um relógio de luz específico de uma área comum do condomínio. Desta maneira, pode-se gerar energia em uma casa de campo e compensar em outra conta em uma cidade distante. As empresas também podem, por exemplo, gerar energia em uma filial e aproveitar os créditos na sede ou vice versa.

O Autoconsumo Remoto pode envolver múltiplas unidades consumidoras, assim, uma empresa que tenha várias filiais pode se beneficiar dos créditos em todas elas. Esta modalidade é muito usada para apartamento, que normalmente não tem área para instalar os painéis solares, porque não possui telhado disponível, pode instalar o sistema em sua casa de praia, sítio ou fazenda e abater na conta de um apartamento na cidade.

GC – GERAÇÃO CENTRALIZADA – é caracterizada por grandes centrais de produção de energia elétrica – no Brasil, em sua maior parte são usinas hidrelétricas, termoelétricas e recentemente as grandes Usinas ou Fazendas Solares, com grandes capacidades instaladas.

A tributação é reduzida na importação dos materiais que compõem o sistema, o que ajuda a diminuir o custo. Além disso, diversas cidades oferecem incentivos fiscais para micro e mini geradores fotovoltaicos (denominação técnica para quem tem um sistema de energia solar em casa), como descontos no ITBI, ISS e até 20% de desconto no IPTU. Os estados que isentam o ICMS dos auto geradores já chegam a 14 e este número não para de crescer. Além disso, Governo Federal aprovou a isenção total de PIS e COFINS da geração distribuída.

SIM – O Fundo Clima é um dos instrumentos da Política Nacional sobre Mudança do Clima, vinculado ao Ministério do Meio Ambiente com a finalidade de garantir recursos para apoio a projetos de ENERGIA SOLAR. Informe no seu Banco, qual a menor taxa, prazos e condições especiais para financiamento de Energia Solar, insista com o gerente. Só para entender melhor, se a taxa de juros cobrada ficar entre 1 a 2 por cento ao mês, compensa buscar uma instituição financeira, pois a taxa de retorno com a economia obtida por um investimento em ENERGIA SOLAR, traz um retorno que chega entre 29 a 32% ao mes de retorno com o investimento.

FINANCIE SEU SISTEMA SOLAR

Durante um bom tempo, sistemas solares eram inacessíveis para a maior parte da população brasileira. Hoje, os equipamentos e a instalação baratearam bastante e muitas são as linhas de crédito para quem deseja economizar com energia solar e não pode fazer o investimento. Atualmente, existem opções em que a parcela do financiamento é inferior à economia gerada pelo sistema. Desta forma, você já economiza desde o primeiro mês e essa diferença cresce à medida que o preço da energia só aumenta e a parcela do financiamento permanece inalterada. Quer um financiamento que cabe no seu bolso e garantia de economia já no primeiro mês? Fala com a gente!

Havendo necessidade de ampliação da capacidade instalada, não é necessário trocar o equipamento já adquirido, serão apenas acrescentados outros inversores, painéis e componentes necessários para atender a demanda, de acordo com as exigências da distribuidora de energia.

Não, porque os apartamentos fazem parte de um condomínio, e não haverá espaço na cobertura do prédio para que todas as unidades possam instalar seus sistemas geradores.
A indicação seria você instalar um sistema FV em sua casa de praia ou no seu sítio e usar os créditos gerados lá para compensar o consumo de seu apartamento no centro da cidade, desde que esteja na mesmo área de atendimento da distribuidora e no nome (CPF ou CNPJ) do mesmo titular.

  • Bombeamento de água;
  • Carregamento de baterias (barcos e veículos em geral);
  • Casas, lojas, Indústrias, Comércios – Conectados na Rede Elétrica (durante o dia gerando crédito para ser utilizado a noite, com ausência do sul);
  • Cercas elétricas;
  • Eletrificação de comunidades em áreas remotas;
  • Eletrificação rural;
  • Estações de repetidoras e rádios;
  • Iluminação pública, decorativa e residencial;
  • Informática, internet e sistemas remotos de monitoramento;
  • Monitoramento de sistemas: qualidade de água, meio-ambiente, gasoduto, etc;
  • Náutica e embarcações;
  • Proteção catódica;
  • Rádio,TV, antena parabólica, SKY, vídeo e DVD;
  • Refrigeração doméstica;
  • Sinalização;
  • Sistemas de emergência;
  • Sistemas de monitoramento e alarme;
  • Sistemas de purificação de água;
  • Telemetria;
  • Telecomunicações , transmissão de dados, sinais;
  • Telefones via satélite e emergência;
  • Telefonia rural, fixa e celular.
  • Veículos de recreio (trailers e Motorhomes)

Varia de acordo com o tamanho e características dos painéis solares e da forma como eles deverão ser montados. Um sistema de 1 kWp precisa de uma área de aproximadamente 7 m2.

Não – Consumidores atendidos em baixa tensão (Residências e pequenos negócios – grupo B) terão de pagar o custo de disponibilidade (Taxa mínima e iluminação pública) nos meses em que a geração for igual ou maior que o consumo da rede, e os grandes consumidores comerciais e industriais com carga maior e demanda contratada (grupo A) terão de arcar com o custo da demanda contratada, sua economia chega em média até 35%. Infelizmente a maioria das Distribuidoras de energia irão lhe cobrar um mínimo para estar conectado na rede e, além disso, tem a taxa de iluminação pública que é cobrado na conta também.

Mas você consegue reduzir até 95% o que você paga na conta de luz com o seu Gerador de Energia Solar. Por isso, com o intuito de otimizar os ganhos com a instalação de um sistema de geração solar, recomenda-se aos consumidores do grupo B que a geração para atendimento à própria unidade consumidora seja projetada para gerar um pouco menos que o consumo médio no local, de forma que haja um consumo mínimo da rede mensalmente.
LEMBRE-SE – Como os sistemas fotovoltaicos são modulares, inicialmente você pode instalar um sistema com capacidade menor e, com o decorrer do tempo, expandi-lo até atender a toda sua demanda energética.

Sim – Através da criação de uma Cooperativa, permitida pela Resolução Normativa n° 482/2012, na qual um grupo de pessoas se associa para obtenção do mesmo fim: gerar energia e reduzir os gastos com a conta de luz em endereços diferentes, geralmente nas empresas com filiais, condomínios de apartamentos. Cada cooperado poderá comprar uma ou mais Cotas de energia da eletricidade gerada (Watt) que poderão ser utilizados para abater na conta de luz de acordo com o consumo de cada Bombeamento dágua cooperado. Os créditos excedentes em kWh, têm validade de até 60 meses, ou seja, 5 anos.

Monitore a produção de energia (no lead do inversor) para verificar e corrigir eventuais falhas de forma rápida.
FAÇA REGULARMENTE UMA INSPEÇÃO VISUAL NOS INVERSORES, PARA VERIFICAR SE NÃO HÁ INSETOS MORANDO EM SEU EQUIPAMENTO. Fique atento a potenciais sombreamentos causados por fatores não previstos antes da instalação do sistema.
Lembre-se: antes de instalar seu micro gerador é importante fazer um estudo de sombreamento para garantir a eficiência do equipamento.

O maior desafio a ser levado a cabo por esses empreendedores, instaladores, projetistas e todos os envolvidos na cadeia de valor solar fotovoltaica brasileira é, sem dúvida nenhuma, a disseminação e educação acerca da tecnologia solar.

A falta de conhecimento dos Brasileiros em relação à tecnologia e seus benefícios são considerados, por mim hoje, o nosso maior desafio e também nosso maior concorrente, e o que de fato atrasa o avanço e instalação de milhares de sistemas por todo o Brasil.

O segundo maior desafio, considero eu, é levar mais possibilidades de financiamento de baixo custo da energia solar, sendo que foi indicado recentemente, em pesquisa do Datafolha, que mais de 70% da população analisada teria interesse em adquirir um sistema solar, caso o mesmo pudesse ser financiado com juros baixos.

Sim – Consumidores podem formar um consórcio ou cooperativa que pode reunir pessoas físicas ou jurídicas para repartir a energia gerada por um gerador solar FV e, assim, participar do Sistema de Compensação de Energia. O sistema de geração pode ser instalado em local diferente do consumo, mas deve estar em uma unidade sob a titularidade do consórcio ou da cooperativa, e na mesma área de concessão ou permissão dos consumidores participantes.

Os créditos gerados podem ser utilizados pelos cooperados/consorciados em suas unidades consumidoras (apartamentos, filiais da empresa, etc), em porcentagens previamente definidas por eles.

Condomínios horizontais ou verticais podem instalar micro geração solar e utilizá-la para redução da fatura de energia do próprio condomínio para suprir o consumo nas instalações internas – iluminação comunitária, elevadores, etc., de acordo com a disponibilidade do projeto como foi construído o telhado ou laje.

Desde que a instalação elétrica esteja em boas condições. Poderá utilizar a fiação elétrica já existente normalmente. Após instalar o sistema, a concessionária após inspeção e posterior homologação, vai trocar o seu relógio de força por um relógio bidirecional (durante do dia gera crédito, à noite débito.
Nas empresas, a Sustentabilidade está inserida como valores a ser seguido e, no novo prédio da sede da empresa, foram inseridos diversos elementos que geram economia e preservação socioambiental do meio-ambiente.

De modo geral, não é preciso limpar os módulos fotovoltaicos, já que, devido à inclinação, a própria chuva encarrega-se de fazer esse trabalho. Contudo, se os módulos forem instalados com pouca inclinação (cidades próximas à linha do Equador, por exemplo) ou estiverem perto de locais onde há muita poeira ou particulados no ar (aeroportos, fábricas, etc.), faça um acompanhamento para observar se há um depósito muito grande de poeira, fuligem ou outro elemento sobre os módulos, já que isso pode reduzir a eficiência do sistema.

Outra vantagem que contribui para a valorização do sistema solar FV é que quando bem projetado e instalado, o Solar exige baixa manutenção tanto preventiva, quanto corretiva. Comparando novamente com a aquisição de um carro, que exige uma manutenção periódica, os sistemas fotovoltaicos, embora estejam lá, funcionando e gerando energia 12 horas por dia, necessitam de uma manutenção muito baixa.

A principal delas, e que pode ser feita pelo próprio consumidor, é a lavagem dos módulos a cada 6 meses, mas isso só no caso deles estar muito sujos, o que não é frequente visto que eles possuem uma película antiaderente que previne o acúmulo de sujeira. No caso da poeira, a própria água da chuva se encarrega de levar embora, porém, em caso de poluição ou excremento de pássaros, a limpeza é simples e necessita apenas de um jato d’água e uma vassoura de cerdas macias. Assista ao vídeo para mais informações.

Fora esta, a manutenção elétrica do sistema também é necessária, porém com bem menos frequência, apenas uma vez ao ano, e que garantem a otimização da geração do sistema.

A limpeza é um serviço muito barato. Basta contratar uma empresa ou profissional especializado que conheça o sistema, a conservação e riscos de utilização errada do equipamento para a limpeza.

EM TELHADO, COBERTURA, FACHADA, GARAGEM, JARDIM E SOLO. Tais sistemas podem ainda ser integrados arquitetonicamente ao edifício (substituindo fachadas, telhados, bases ou janelas) ou ser instalados em solo, no caso de USINA para produção de elevada carga elétrica com um grande número de PAINÉIS SOLARES, devido ao excessivo peso que tal quantidade possa comprometer o telhado, como, por exemplo, no jardim de uma casa ou mesmo servindo de garagem para veículos.

Sim, de acordo com a Resolução Normativa da ANEEL (482/2012) desde que faça todo o procedimento de aprovação do projeto e os equipamentos sejam homologados pelo INMETRO.

Não. Todo sistema conectado a rede, de acordo com a determinação das concessionárias, em momentos de queda de energia, desliga-se automaticamente. Esta é uma medida de segurança para não ferir nem acidentar técnicos de manutenção que desligam a rede para efetuar um reparo.

Não. Embora em alguns países isso seja possível, no Brasil não é permitida a comercialização da energia produzida para a concessionária. Toda energia gerada e não utilizada, vai gerar créditos para uso posterior com validade de 5 anos ou 60 meses ou para o abatimento de outras contas que estejam no mesmo CPF ou CNPJ, sendo na mesma área da concessionária.

Ou seja, quando for calcular o tamanho do seu sistema fotovoltaico calcule para que ele não produza por ano mais energia do que você normalmente consome pois, não vai ganhar 1 único Real (R$) da sua distribuidora por esta energia extra que você está fornecendo para ela.

Através da resolução 687/2015 da ANEEL, foi instituida a modalidade de geração distribuída “GD” nos modelos de negócio constituído como Cooperativa para atender pessoa física ou Consórcio para pessoa jurídica, enquanto que nas chamadas Fazendas Solares é possível fazer a locação de equipamentos para consumidores remotos, que pagam para receber créditos de energia em suas contas, quando os mesmos não possuem telhado para instalar os equipamentos.

Sim. Toda empresa pode aproveitar seu telhado para a instalação do sistema fotovoltaico, integrado a rede elétrica e o usuário pagará apenas a diferença entre seu consumo e a produção própria de energia. Podendo ainda dimensionar o sistema gerador, distribuindo os créditos excedentes gerados para compensar o consumo de suas filiais em outros endereços ou cidades, desde que esteja na mesma área de atendimento da distribuidora e com o mesmo CNPJ.

Além dos benefícios econômicos como principal vantagem do sistema solar fotovoltaico conectado à rede, existem diversas outras vantagens, as quais irão variar de acordo com o perfil e expectativa do cliente. Para clientes com perfil comercial, por exemplo, o reconhecimento por uma ação de pioneirismo e a possibilidade de ações de marketing verde acerca do sistema solar e seus benefícios ambientais, aumentam ainda mais o apelo pela aquisição do sistema, tornando possível não só o retorno tangível como também o intangível.

É amplamente sabido que as fontes de energias renováveis substituem as fósseis e ajudam a combater um dos principais desafios da humanidade atualmente: as mudanças climáticas. Muitas empresas e organizações carregam essa bandeira entre seus mais importantes valores e demonstram extrema convicção de que a implantação de um sistema solar é um passo importante nesse sentido.

Em locais onde a rede de distribuição não está disponível (Zona Rural);

Focado na sustentabilidade do planeta, com baixo impacto ambiental e inclusão;

Sistemas de back-up e alta confiabilidade;

Conexão à rede, ligação direta ao ponto de consumo, sem custos de transmissão distribuição e infraestrutura.

Entre as vantagens da energia solar no Brasil para os consumidores de energia é o fato de que é possível proteger-se contra uma oscilação de custo da geração elétrica no país, que mantém a maioria dos consumidores expostos a aumentos repentinos nas suas respectivas contas.

A diferença entre os Sistemas de Energia Solar Residencial x Sistemas de Energia Solar Comercial

Como já vimos, os sistemas de energia solar instalados no Brasil dividem-se entre os telhados de residências, comércios, agronegócios e demais estabelecimentos de consumidores que buscam economia na conta de luz.

A maioria dos novos proprietários de sistemas de energia solar são os consumidores de energia residencial, que normalmente são também os que pagam mais caros pela energia elétrica.

Basicamente os seguintes dados:

  • Média de Consumo mensal em kWh dos últimos 12 meses;
  • Voltagem a ser usada (110V, 220V, 380);
  • Tipo de sistema (Mono, Bi ou Trifásico);
  • Local da instalação (Cidade – UF);
  • Medição solarimétrica da região;

Painéis Fotovoltaicos: capta a luz solar e através de Células fotovoltaicas convertem a luz do sol em eletricidade de corrente contínua (C.C.). Esta conversão ocorre a pleno em dias ensolarados. Em dias nublados ou chuvosos o sistema funciona com menor intensidade e a noite a geração é zero.

Inversor: É no inversor que a eletricidade de corrente contínua (C.C.) é transformada em eletricidade de corrente alternada (C.A. – a mesma a ser utilizada pelo imóvel) e também possui a função de sincronizar o sistema com a rede.

Outros: cabos, conectores, estruturas de fixação para os painéis, proteções elétricas, entre outros acessórios.

Sistema de Monitoramento: É através do sistema existente no inversor que o cliente pode verificar a situação do gerador em tempo real. Também pode acompanhar todos os dados de geração, economia e benefícios ao meio ambiente em tempo real no seu celular, através de aplicativo fornecido pelo fabricante.

Quadro de Proteção: A eletricidade gerada passa pelo quadro de proteção, vai para o inversor passa pelo quadro geral de distribuição, é utilizada pelos equipamentos elétricos da propriedade, e o excedente de energia gerada vai para rede de distribuição, através do Medidor Bidirecional, que mede a quantidade de energia injetada na rede e a energia consumida da rede. Havendo mais energia injetada na rede do que consumida, você acumula créditos de energia em kWh (kilo-Watt-hora).

O mais importante – Todo trabalho precisa ser avaliado, dimensionado e instalado por uma empresa ou pessoa capacitada, treinada e qualificada.

Obs. É comum se deparar com vendedores mal orientados, dizendo que pode instalar 16 paineis em um inversor de 2 K. Basta fazer uma conta 330W (Potencia do painel) x quant. de painel, o resultado é 5.28K tem que ser arredondado para cima, ou seja um inversor de 6K.

Se colocar 16 painéis com um inversor menor, o inversor vai limitar a geração de energia pela potencia do inversor que é correta de 2 K, e nunca aos 16 painéis, se o inversor suporta a produção de 6 paineis.

Outra confusão que se faz é de colocar um inversor maior com capacidade de suportar 20 paineis, colocar apenas 6, para ampliar mais tarde.

Acontece que pode ocorrer do inversor não dar partida porque a potencia de captação (painéis) é muito baixa, e outro erro, quando os componentes, sejam painéis ou inversores são comprados fora do kit, o preço dos mesmos será bem maior porque vai incidir na cobrança de impostos, e no Brasil a carga tributária é muito alta.

A Lei permite a redução de impostos somente para KITS completos (Inversor, Painel, Extrutura, Cabos, Disjuntores Periféricos para Segurança do Sistema e Conectores) para geração de energia solar

Depende principalmente de seu consumo médio mensal.
Para uma estimativa média, levando em consideração que uma placa solar de 260 wp gera em média 35kwh/mês. Basta dividir seu consumo em kwh/mês por 35.

Ex: Se você tem um consumo de 300kwh/mês, dividido por 35 = 8.5, então vai ser preciso 9 Placas Solares para lhe atender.
Para saber exatamente quantas placas será necessário, envie a foto de sua conta e peça um Orçamento Prévio Gratuito, todo detalhamento será feito pela nossa equipe técnica e engenheiros.

Um sistema fotovoltaico conectado à rede tem uma vida útil de 30 anos ou mais, sendo que a maioria dos painéis fotovoltaicos tem garantia de 25 anos para produção de pelo menos 80% de eficiência. Já os inversores têm garantia de 5 anos e uma vida útil de até 15 anos.

O custo de um sistema de energia solar fotovoltaico depende principalmente do tamanho e da complexidade do sistema e instalação.
Para calcular um custo do sistema, é preciso saber qual quantidade de energia necessária, as características do local da instalação, o preço dos equipamentos utilizados que podem variar de acordo com o valor do dólar, pois na maioria das vezes são equipamentos importados.
Levando em consideração que quanto maior o sistema, menor o custo por R$/kWp (kilo-Watt-pico).

Pode haver grande variação de preço entre os fornecedores, relacionada á qualidade dos componentes utilizados e do local da instalação.
A partir da instalação de um sistema de energia solar conectado à rede, o seu proprietário ganha poder de escolha e trava o custo da tarifa de energia, pois a troca entre a energia consumida da rede e a gerada pelo sistema é feita em igualdade de proporções, ou seja, sempre de 1 kWh por 1 kWh (quilowatt-hora).

Depende da potência de cada painel, local da instalação, inclinação e orientação do painel, sombreamento e temperatura. Podemos citar como exemplo, um painel de 260 Wp produz de 1.000 até 1.300 wh/dia (30 kWh a 39 kwh/mês), dependendo das condições citadas.

  • Verifique a confiabilidade dos fabricantes dos equipamentos a serem utilizados, principalmente dos módulos fotovoltaicos e dos inversores..

  • É fundamental que seu instalador utilize somente equipamentos certificados pelo INMETRO.
  • Além da qualidade dos equipamentos, o processo de instalação também deve ser observado.
  • Antes de contratar um instalador, peça uma lista de geradores fotovoltaicos que ele tenha instalado com os respectivos proprietários ou gestores dos geradores e consulte-os (p.ex., enviando e-mail ou telefonando).
  • Fique atento principalmente ao desempenho e ao atendimento a eventuais solicitações de substituições de equipamentos dentro da garantia.

Serviços de manutenção ou outras intervenções nos equipamentos ou na instalação de conexão só poderão ser feitos após a autorização da distribuidora. Sugerimos ainda que você se informe sobre os procedimentos recomendados pela distribuidora para garantir a segurança do pessoal e de terceiros durante a execução de serviços.

Após aprovado o ponto de conexão à rede, será implantado o sistema de compensação de energia. Para isso, o proprietário do micro gerador terá de assinar com a distribuidora um documento chamado Relacionamento Operacional, não sendo necessário nenhum contrato adicional de uso da rede e conexão à mesma.

A princípio, para quem quer investir em um negócio rentável, o aluguel de energia solar é um modelo ideal, tanto para grandes empresas que consomem muita energia elétrica, quanto para consumidores que consomem pelo menos 10.000 kWh/mês.

Em termos de economia, a aquisição de um sistema de energia solar pode gerar uma redução de custos de até 30%. O local de instalação da usina solar e radiação do sol, podem fazer com que esse número varie.

A energia solar fotovoltaica é uma excelente opção de geração de energia elétrica, porque não emite CO2, quanto mais aumentarmos a oferta de energia limpa e sustentável, menos vamos precisar lançar mão de fontes de energia poluentes como são as usinas termoelétricas, que queimam combustíveis fósseis despejando toneladas de co2 na atmosfera e evitamos também a construção de novas usinas hidrelétricas que causam um impacto negativo imenso no ecossistema onde a barragem é construída, portanto, a energia solar fotovoltaica, que usa o recurso da luz solar, extremamente abundante em nosso país, especialmente aqui em Minas Gerais, onde a Usina Ondas do Sol fica localizada, se apresenta como a solução mais viável ecologicamente falando, para geração de energia elétrica. Entre nessa nova onda, colabore com o meio ambiente e traga economia financeira para sua empresa, junte-se a nós e vamos fazer do nosso meio ambiente um lugar melhor para nós e para as futuras gerações.

  • Custos de obra civil, mecânicas e elétricas extras a parte do sistema fotovoltaico;
  • Licenças, vistorias, autorizações e licenças legais de qualquer natureza de órgãos ambientais;
  • Custo do medidor de Energia da concessionária (Quando aplicável);
  • Adequação de entrada de energia no padrão da concessionária, como poste trincado, itens fora do padrão, disjuntores mal dimensionados, fios cabos, etc;
  • Custo de conexão a rede elétrica da concessionária, quando for o caso;
  • Deslocamento, alimentação e estadia para avaliação técnica;
  • Custos com adequação de infraestrutura elétrica, civil ou mecânica;
  • Linha de vida fixa no telhado ou fachada do cliente;
  • SPDA – Sistema de proteção contra descarga atmosférica – para-raios;
  • Cálculo do projeto estrutural do telhado, para garantir a sustentação do peso da placa solar;
  • Armazenamento do sistema gerador solar (Adequação do local);
  • Cabine ou quadro de força para alojar equipamentos;
  • Qualquer outro item não incluso nesta
  • Projeto elétrico, Homologação, Arts / CREA para instalação do equipamento solar e a troca do medidor, e juntada de documentos para aprovação na DISTRIBUIDORA LOCAL DE ENERGIA, mediante procuração do cliente;
  • Montagem do sistema de fixação dos painéis na correta posição em relação ao sol, exceto no caso de telhado já existente, os painéis serão colocados seguindo a posição disponível, podendo interferir no rendimento;
  • Montagem dos painéis solares nas barras de fixação;
  • Montagem do(s) inversores CC/CA;
  • Montagem dos painéis e STRING BOX para a correta proteção CC/CA do equipamento;
  • Montagem dos terminais e conectores MCA/CC e cabos solares com ferramentaria adequada ao bom rendimento e respectivas ligações;
  • Montagem do ramal CA e conexão ao Quadro Geral de Distribuição;
  • Aterramento do sistema fotovoltaico

A REN 482/2012 atualizada em 2015 pela REN 687/2015 exige das distribuidoras que incluam na conta de luz do consumidor com geração distribuída, os seguintes dados:

  1. a) informação da participação da unidade consumidora no sistema de compensação de energia elétrica, no caso de geração compartilhada;
  2. b) o saldo anterior de créditos em kWh;
  3. c) a energia elétrica ativa consumida, por posto tarifário;
  4. d) a energia elétrica ativa injetada, por posto tarifário;
  5. e) histórico da energia elétrica ativa consumida e da injetada nos últimos 12 ciclos de faturamento;
  6. f) o total de créditos utilizados no ciclo de faturamento, discriminados por unidade consumidora;
  7. g) o total de créditos expirados no ciclo de faturamento;
  8. h) o saldo atualizado de créditos;
  9. i) a próxima parcela do saldo atualizado de créditos a expirar e o ciclo de faturamento em que ocorrerá.

Essas informações podem ser anexadas à fatura, enviadas por correio eletrônico ou disponibilizadas na internet, em um espaço de acesso restrito ao cliente.

W (Watt) é uma unidade de medida para potência (equivalente a um Joule por segundo). Potência é a quantidade de energia cedida por uma unidade de tempo.

Wp (Watt-pico) é a unidade de medida utilizada para painéis fotovoltaicos e significa a potência em W fornecida por um painel em condições especificas e reproduzidas em laboratório. É a potência máxima que um painel pode fornecer em condições ideais.

kWp (kilo-Watt-pico) são 1000 Wp sendo que k se refere a 1000 para qualquer unidade de medida

Wh (Watt-hora) é uma unidade de medida de energia gerada. Ex: Uma potencia de 100W exercida por 3 horas equivale a 100 x 3 = 300 Wh

kWh (kilo-Watt-hora) são 1000 Wh sendo que k se refere a 1000 para qualquer unidade de medida. kWh é a unidade de medida de nossa conta de luz.

Um sistema solar fotovoltaico possui mais de 25 anos de vida útil, gerando energia elétrica limpa, sustentável e de qualidade, sem prejudicar o meio ambiente. Financeiramente, o Solar é extremamente viável, já que o retorno monetário por decorrência da instalação de um sistema é rápido.

Em linhas gerais, um sistema solar fotovoltaico instalado em uma residência se paga em até 6 anos após sua instalação. A partir dessa data, todo o retorno financeiro passa a ser lucro, pelos próximos 19, 20 anos ou até mais, pois ainda após esse período, os módulos permanecem com cerca de 80% de eficiência.

Resumindo, vale a pena o financiamento de um sistema gerador de energia FV, pois os juros variam a partir de 0,75 ao mês, enquanto que a economia obtida vai de 29% a 95%.

O projeto de instalação e de conexão à rede de um micro ou mini gerador fotovoltaico deve ser realizado por uma empresa com experiência comprovada nessa área.

Procure informar-se antes sobre a empresa, capacitação de seu corpo técnico, solicitando referências de outros trabalhos na área de geração elétrica.

Agora sim, listadas as desvantagens da energia solar fotovoltaica, partimos para as suas vantagens que, como poderão ver, ofuscam qualquer uma de suas “falhas”. Confira!

  1. a) – ENERGIA SUSTENTÁVEL

A primeira vantagem do sistema fotovoltaico é que esse tipo de gerador utiliza da mais abundante, gratuita e eficiente fonte de energia disponível. O Sol!

O Brasil, país tropical localizado entre a linha do equador, recebe uma quantidade absurda de radiação solar todos os anos, capaz de gerar mais energia do que poderíamos consumir.

Isso torna o sistema fotovoltaico extremamente vantajoso e confiável pois, diferentemente de outras fontes geradoras, como por exemplo, a hidrelétrica ou à carvão e gás, o fotovoltaico depende exclusivamente da luz solar, fonte renovável e inesgotável.

Além dessa segurança, a sustentabilidade inerente à geração limpa de energia é algo crucial nos dias de hoje, castigados pelos efeitos do aquecimento global e, portanto, quanto mais consumidores poderem gerar sua energia de forma limpa, mais chances teremos de reverter essa situação.

Se a tarifa referente ao consumo do cliente for de cerca de R$0,70 o kWh, o payback (que é o tempo até o investimento voltar) desse sistema ficaria em 4 anos, com uma taxa interna de retorno de cerca de 29%, levando-se em conta uma inflação energética media de 7% ao ano.

  1. b) – NÃO HÁ RUÍDOS E POLUIÇÃO

Preocupado com barulhos ou ruídos vindos do telhado e tirando a sua paz? Que nada! A geração de energia pela tecnologia solar fotovoltaica é totalmente silenciosa.

Isso porque ela utiliza um processo fotoquímico, e não mecânico, para gerar energia elétrica, chamado de efeito fotovoltaico e que ocorre silenciosamente dentro de cada uma das células que compõem o módulo.

Isso significa que você pode instalar as placas solares (módulos fotovoltaicos) em qualquer lugar, sem incomodar os vizinhos e sem gerar dejetos ou poluentes nocivos à saúde e ao meio ambiente.

Portanto, fique tranquilo, pois você poderá tirar aquele cochilo da tarde gostoso no final de semana, ligar seu ar condicionado ou ventilador com a certeza de que não terá altas contas de luz no final do mês.

Agora que você já sabe como o sistema de energia Solar fotovoltaica conectado à rede funciona e como beneficia a comunidade ao seu redor. Quando alguém lhe perguntar “como funciona?”, você pode explicar como o sistema é realmente simples.

A REN 482/2012 atualizada em 2015 pela REN 687/2015 exige das distribuidoras que incluam na conta de luz do consumidor com geração distribuída, os seguintes dados:

  1. a) informação da participação da unidade consumidora no sistema de compensação de energia elétrica, no caso de geração compartilhada;
  2. b) o saldo anterior de créditos em kWh;
  3. c) a energia elétrica ativa consumida, por posto tarifário;
  4. d) a energia elétrica ativa injetada, por posto tarifário;
  5. e) histórico da energia elétrica ativa consumida e da injetada nos últimos 12 ciclos de faturamento;
  6. f) o total de créditos utilizados no ciclo de faturamento, discriminados por unidade consumidora;
  7. g) o total de créditos expirados no ciclo de faturamento;
  8. h) o saldo atualizado de créditos;
  9. i) a próxima parcela do saldo atualizado de créditos a expirar e o ciclo de faturamento em que ocorrerá.

Essas informações podem ser anexadas à fatura, enviadas por correio eletrônico ou disponibilizadas na internet, em um espaço de acesso restrito ao cliente.

W (Watt) é uma unidade de medida para potência (equivalente a um Joule por segundo). Potência é a quantidade de energia cedida por uma unidade de tempo.

Wp (Watt-pico) é a unidade de medida utilizada para painéis fotovoltaicos e significa a potência em W fornecida por um painel em condições especificas e reproduzidas em laboratório. É a potência máxima que um painel pode fornecer em condições ideais.

kWp (kilo-Watt-pico) são 1000 Wp sendo que k se refere a 1000 para qualquer unidade de medida

Wh (Watt-hora) é uma unidade de medida de energia gerada. Ex: Uma potencia de 100W exercida por 3 horas equivale a 100 x 3 = 300 Wh

kWh (kilo-Watt-hora) são 1000 Wh sendo que k se refere a 1000 para qualquer unidade de medida. kWh é a unidade de medida de nossa conta de luz.

Um sistema solar fotovoltaico possui mais de 25 anos de vida útil, gerando energia elétrica limpa, sustentável e de qualidade, sem prejudicar o meio ambiente. Financeiramente, o Solar é extremamente viável, já que o retorno monetário por decorrência da instalação de um sistema é rápido.

Em linhas gerais, um sistema solar fotovoltaico instalado em uma residência se paga em até 6 anos após sua instalação. A partir dessa data, todo o retorno financeiro passa a ser lucro, pelos próximos 19, 20 anos ou até mais, pois ainda após esse período, os módulos permanecem com cerca de 80% de eficiência.

Resumindo, vale a pena o financiamento de um sistema gerador de energia FV, pois os juros variam a partir de 0,75 ao mês, enquanto que a economia obtida vai de 29% a 95%.

O projeto de instalação e de conexão à rede de um micro ou mini gerador fotovoltaico deve ser realizado por uma empresa com experiência comprovada nessa área.

Procure informar-se antes sobre a empresa, capacitação de seu corpo técnico, solicitando referências de outros trabalhos na área de geração elétrica.

Agora sim, listadas as desvantagens da energia solar fotovoltaica, partimos para as suas vantagens que, como poderão ver, ofuscam qualquer uma de suas “falhas”. Confira!

  1. a) – ENERGIA SUSTENTÁVEL

A primeira vantagem do sistema fotovoltaico é que esse tipo de gerador utiliza da mais abundante, gratuita e eficiente fonte de energia disponível. O Sol!

O Brasil, país tropical localizado entre a linha do equador, recebe uma quantidade absurda de radiação solar todos os anos, capaz de gerar mais energia do que poderíamos consumir.

Isso torna o sistema fotovoltaico extremamente vantajoso e confiável pois, diferentemente de outras fontes geradoras, como por exemplo, a hidrelétrica ou à carvão e gás, o fotovoltaico depende exclusivamente da luz solar, fonte renovável e inesgotável.

Além dessa segurança, a sustentabilidade inerente à geração limpa de energia é algo crucial nos dias de hoje, castigados pelos efeitos do aquecimento global e, portanto, quanto mais consumidores poderem gerar sua energia de forma limpa, mais chances teremos de reverter essa situação.

Se a tarifa referente ao consumo do cliente for de cerca de R$0,70 o kWh, o payback (que é o tempo até o investimento voltar) desse sistema ficaria em 4 anos, com uma taxa interna de retorno de cerca de 29%, levando-se em conta uma inflação energética media de 7% ao ano.

  1. b) – NÃO HÁ RUÍDOS E POLUIÇÃO

Preocupado com barulhos ou ruídos vindos do telhado e tirando a sua paz? Que nada! A geração de energia pela tecnologia solar fotovoltaica é totalmente silenciosa.

Isso porque ela utiliza um processo fotoquímico, e não mecânico, para gerar energia elétrica, chamado de efeito fotovoltaico e que ocorre silenciosamente dentro de cada uma das células que compõem o módulo.

Isso significa que você pode instalar as placas solares (módulos fotovoltaicos) em qualquer lugar, sem incomodar os vizinhos e sem gerar dejetos ou poluentes nocivos à saúde e ao meio ambiente.

Portanto, fique tranquilo, pois você poderá tirar aquele cochilo da tarde gostoso no final de semana, ligar seu ar condicionado ou ventilador com a certeza de que não terá altas contas de luz no final do mês.

Agora que você já sabe como o sistema de energia Solar fotovoltaica conectado à rede funciona e como beneficia a comunidade ao seu redor. Quando alguém lhe perguntar “como funciona?”, você pode explicar como o sistema é realmente simples.

Agora que você já sabe como o sistema de energia Solar fotovoltaica conectado à rede funciona e como beneficia a comunidade ao seu redor. Quando alguém lhe perguntar “como funciona?”, você pode explicar como o sistema é realmente simples.

Certamente nossos especialistas vão lhe dar todo apoio e informações necessárias para adquirir seu equipamento de energia solar.  Assim, voce vai se livrar dos constantes aumentos, das contas altas e não mais se preocupar com aquele susto no final do mês, e melhor ainda, vai poder usar seu AR CONDICIONADO ligado 24 horas. Para conhecer os detalhes da legislação que permite o consumidor instalação de Energia Solar em sua casa ou empresa, veja as perguntas e respostas sobre a aplicação da Resolução Normativa nº 482/2012, aqui neste link do site da  ANEEL Mais informações de nossos projetos ara locação de COTAS DE ENERGIA clic AQUI

Assim funciona a Emergia Solar OFF Grid
Facebook
YouTube
Instagram